Elogiar e xingar

Em 1 de outubro de 2012 publiquei uma nota dizendo: “Eric Hobsbawn se vai e deixa saudade entre aqueles, que como ele. interpretam a História, não como um conto de fadas, e sim naquilo que toca ao povo sob o prisma social e econômico.” Os anos passam e cada vez sinto mais como é triste não ler mais novos escritos de Hobsbawn, mas há um consolo com o qual devemos procurar contrariar o sono que não vem, nestas noites frias paulistanas.

Quatro anos depois que o historiador por excelência nos deixou, minha neta escreveu reclamando da feiura urbana e sobre o que fizeram com o Monumento aos Bandeirantes, que foi pintado noite dessas com tintas de vários tons. Disse-lhe ser verdade que costumamos elogiar pessoas sem olhar para o que fizeram de condenável. Os Bandeirantes desbravaram o interior do Brasil, sim e daí? Eles deixaram um rastro de sangue que a água do tempo não conseguiu limpar.

É o caso das homenagens que se está prestando ao tal Shimon Perez – que há horas atrás estava a caminho do inferno. Todos dizem hoje que ele é o homem da Paz – mentira do tamanho dos crimes que cometeu.

Em uma de minhas viagens ao Líbano, estive em Qana (a aldeia onde Jesus fez seu primeiro milagre, transformando água em vinho, nas bodas de Qana). Lá sentei, no Quartel das Forças de Paz das Nações Unidas, e o Comandante me contou um dos milhares de crimes deste vale-merda. O Comandante já exercia esta missão são e o tal Perez era Primeiro-Ministro e candidato nas eleições do estado patife de Israel e, antes de pedir demissão, ele ordenou as forças aéreas de seu governo para que atacasse o Quartel da ONU em Qana. Sabe por quê? Diante das ameaças israelenses os homens combatentes libaneses se retiraram da aldeia de Qana e as crianças, mulheres, idosos foram se refugiar no Quartel. As mentirosamente autodenominadas Forças de Defesa de Israel então, por ordem do “homem da paz”, atacou o quartel por terra e ar.

O Massacre de Qana, como seria chamado o crime sionista, ocorreu em 18 de abril de 1996, com o lançamento de artilharia por terra e ataque da aviação militar pelo ar. Dos 800 civis que procuraram refúgio no quartel da UNIFIL Forças Interinas das Nações Unidas para o Líbano, 106 morreram e 116 foram feridos. Quatro soldados fijianos das Nações Unidas também foram seriamente feridos.

O ataque foi um desdobramento de uma luta pesada entre o Hizbullah e as forças israelenses durante a operação de tentativa de reocupação do sul do País dos Cedros.

Uma investigação posterior das Nações Unidas confirmou que não seria possível considerar a operação e o ataque por terra, como Israel tentou passar para o mundo, um erro técnico de procedimento, pois provas de vídeos evidenciaram que avião não tripulado do estado patife de Israel estava espionando o quartel da ONU e o pessoal civil que lá se refugiara antes dos bombardeios. É claro que apesar das provas Israel continua negando a verdade.

A mentira é igual aos elogios ao tal Perez – para os sionistas, não há distinção entre elogiar e xingar.

José Farhat

30/10/2016

Anúncios
Publicado em Assuntos libaneses, Assuntos palestinos, Falácias em torno de Israel e do Sionismo, Fatos e Pessoas memoráveis | Deixe um comentário

Divisão sectária do Líbano

Os impérios que através da História dominaram a região da Ásia ocidental, também hoje conhecida como Oriente Próximo por uns e Oriente Médio por outros sempre procuraram exercer seu domínio através do encorajamento da divisão sectária. O pior é que tiveram êxito, quer sejam os persas através dos xiitas, dos turcos otomanos através dos sunitas, ou dos bizantinos através dos cristãos.

Relativamente mais recente, no Século XIX, esta intervenção no País do Cedro, está em Politics of Interventionism in Ottoman Lebanon, 1830-1861 (Políticas de Intervencionismo no Líbano Otomano, 1830-1861), autoria de Ceasar E. Farah, do Centre for Lebanese Studies (no Reino Unido) publicado pela I.B.Tauris, em 2000 com 816 páginas de riqueza extraordinária em dados e documentos onde se constata que as potências daquela época (atualmente conhecidas como: Alemanha, Itália, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, Turquia), assinaram acordo protegendo cada uma a seita de sua preferência no Líbano.

O estudo do Professor Farah analisa trinta anos críticos e determinantes na configuração das modernas políticas e padrões da intervenção estrangeira no Líbano. Baseadas nos arquivos das maiores potências europeias, das missões religiosas católicas e protestantes, de documentação otomana e suplementado por manuscritos nunca antes publicados, o livro retrata os eventos que afetaram o relacionamento entre facções clericais e feudais, as Grandes Potências de então, assim como a resistência das autoridades Otomanas ao ver esta sua província crítica sucumbir sob a dominação europeia. O livro também analisa o efeito da rivalidade franco-britânica nas tensões e contendas intersectarias.

Os acordos Sykes-Picot, entre França e Reino Unido, assim como a Declaração Balfour, missiva do Reino Unido para a Federação Sionista além de outros, demonstraram que as potências imperialistas nunca se deram ao trabalho de verificar se tais documentos afetariam ou não a paz na região; a História demonstraria que sim!

Desde o final da I Guerra Mundial, após anos e anos de indefinições, tropeços, guerras, ocupações, independência, o Líbano finalmente escolheu, mês passado, um presidente da república para preencher a cadeira vaga por cerca de dois anos. O escolhido, Michel Aoun, o Velho General como é chamado, aos 81 anos, vem de uma carreira de promotor de guerras, comandante militar, primeiro ministro no final da guerra civil do país, até ser bombardeado pela aviação militar síria em 1990. Como as coisas mudam no Líbano, tais como cores de camaleões, ele voltou do exílio de alguns anos e fez a paz com os sírios, os inimigos de ontem e fundou um partido de maioria cristã maronita. Dia 13 de outubro de 2016 ele foi eleito 13º presidente, após 45 tentativas mal sucedidas de eleição.

Dada a agressão estrangeira que a Síria está sofrendo, Aoun presidirá um Líbano que dá asilo a um milhão de refugiados sírios. A chegada de refugiados ao Líbano sempre causou problemas.

Com os armênios que fugiram do holocausto bárbaro que sofreram por parte da Turquia, o problema foi menor que aqueles causados pelos demais. Isto porque os armênios são cristãos, receberam a cidadania sem demora e reforçaram a proporção cristã no país o que de certa forma jogou para o futuro os problemas que o aumento de muçulmanos e a relativa diminuição de cristão iriam causar.

Os refugiados curdos que fugiam de todo país onde eram minoria já foi um problema e nenhum curdo obteve até hoje a cidadania libanesa. Isto porque são todos muçulmanos.

Os palestinos, com sua maioria muçulmana e minoria cristã, foram recebidos bem ou mal, dependendo de quem opinava: se cristão ou muçulmano. O problema cresceu tanto a ponto de o Líbano passar por uma guerra civil que durou perto de 17 anos. A contribuição dos sionistas, ao lado dos cristãos libaneses de extrema direita, agravaria muito o problema e seria um elemento de prorrogação da guerra civil.

O velho general tem experiência para contornar os problemas sectários libaneses. É uma tarefa hercúlea, mas solucionável.

O que se queria quando o Líbano foi destacado do Império Otomano era tornar o País do Cedro um paraíso para os cristãos. Foi uma verdade aparente por muito tempo, mas os problemas não tardaram a aparecer e a missão de Aoun é encontrar uma solução para que a situação não se agrave e chegue novamente numa explosão.

A bomba prestes a explodir é divisão sectária do Líbano. Edição recente de The Economist traz um artigo demonstrando como o arranjo no qual a política libanesa vem tentando se equilibrar e como milhões de votantes há para confrontos. Os dados tirados do registro de votantes revela que 37% dos libaneses votantes são cristãos. A única unanimidade entre os políticos libaneses é que ninguém quer realizar um recenseamento para mostrar como se encontra hoje a divisão sectária que o censo de 1922, demonstrou. Políticos como o druso Walid Jumblatt, líder do Partido Progressivo socialista, declarou ao The Economist: “Um novo recenseamento mexerá com a ordem das coisas. É uma saída sensível. Os resultados de um novo censo causarão muitos problemas. Ele irritará alguns setores da comunidade. Já existem muitas tensões entre xiitas, sunitas e cristãos. Um censo não é algo que queiramos agora”.

The Economist obteve também uma lista divulgada pelo Ministério do Interior onde os 3.6 milhões votantes apareciam com sua afiliação sectária. Foi aparecer na web do Ministério e começou a causar conflito. O Ministério, mais que depressa, retirou do ar. Os dados demonstravam que os católicos maronitas, no passado a maior seita, representam hoje não mais que 21% dos votantes. A maioria passou para os xiitas, atualmente 29% da lista, estão seguidos de perto pelos sunitas, com 28%. No entanto, a distribuição de assentos no Parlamento não revela a realidade já que os maronitas têm 34 deputados, enquanto os xiitas e Sunitas têm 27 cadeiras cada, de um total de 128 membros do legislativo.

O velho general tem que se preparar e levar em sua bagagem, para o Palácio de Baabda, um carregamento de extintores de incêndios.

José Farhat

07/11/2016

Publicado em Assuntos de Religiões, Assuntos libaneses | Deixe um comentário

De quantas ogivas nucleares Israel necessita para se autodestruir?

Se o Lawrence S. Wittner, em seu artigo publicado no dia de finados, 02/11/2016, estivesse escrevendo sobre Israel e não sobre seu país, em vez do título “How Many Nuclear Warheads Does the United States Need?” É abuso de minha parte, mas tenho quase certeza que o título seria aquele que está acima.

O Professor de História, ativista a favor da Paz e da Justiça Social, disse uma vez mais o que pensa das armas nucleares, quando afirmou que “a situação atual é insustentável e estamos vivendo em circunstâncias de perigo enorme, pois, enquanto existirem armas nucleares há uma grande probabilidade de que elas acabem sendo usadas.” É fato, pois guerras têm sido travadas, através da História, quase sempre com as armas mais poderosas ao alcance na época. “As armas nucleares, aponta Wittner, foram usadas com pouca hesitação pelo governo dos Estados Unidos em 1945 e, enbora não tenham sido empregaddas em batalha desde então, por quanto tempo podemos esperar para continuar sem sermos pressionados novamente a serviço de um governo defensivo, um governo agressivo, um ditador implacável, ou um louco”?

Nem só de guerra a humanidade sofreu com acidentes nucleares, a Agência Internacional de Energia Atômica listou os piores desastres já ocorridos, que são: Chernobil, 1986, o pior dentre eles da história cuja radiação foi 200 vezes maior do que a das bombas de Hiroshima e Nagasaki juntas, contaminando 200.000 km² e a morte por câncer de cerca de 4.000 pessoas; além de outros sete acidentes, inclusive o de menor monta de Goiânia, 1987.

Israel guarda segredo sobre o número de ogivas que mantém prontas para serem lançadas, o que coloca o estado segregacionista na lista de países que têm armas nucleares que são (seguida de número provável de ogivas): Rússia (13.000), Estados Unidos (9.400), França (300), China (240), Reino Unido (180), Israel (60 a 80 ou 200), Paquistão (70 a 90), Índia (60-80) e Coréia do Norte (desconhecido).

Se Chernobil contaminou 200.000 km² imagine-se só quantas armas Israel necessita para atingir o Líbano e a si mesmo ou o Irã e o território palestino que ocupam. Matar o inimigo e cometer suicídio é programa sério ou simplesmente uma medida similar àquela dos judeus que se aproveitaram da ausência de Moisés e encarregaram seu irmão Aarão de construir um bezerro de ouro para que o adorassem e ganhassem o fogo do inferno. A resposta é tão infantil quanto o fato.

Muitas vezes o estado racista de Israel teve a oportunidade de levar adiante um projeto de paz e deram as costas à solução pacífica e à negociação. Algumas vezes cogitou-se de dois estados para dois povos, uma verdadeira injustiça para o povo palestino, mas isto ocorreu e nem isto Israel aceitou.

A situação atual, independentemente do arsenal nuclear do estado hebreu parece que este não terá mais a chance de oficialização do crime de ocupação cometido contra o povo palestino e só resta uma saída para a terra palestina: a criação de um único estado palestino para abrigar palestinos de qualquer crença religiosa e cidadãos de boa fé de qualquer origem e qualquer credo.

Novo suicídio coletivo, com armas nucleares ou outro meio, por favor, que seja longe das terras sagradas para judeus, cristãos e muçulmanos e, note-se, os palestinos não são suicidas.

José Farhat

19/11/2016

Publicado em Assuntos palestinos, Falácias em torno de Israel e do Sionismo, Sem categoria | Deixe um comentário

Xeque-mate à libanesa

O Líbano passou a ter, para a Arábia Saudita, mais preocupada atualmente alhures, agora com alhures, principalmente no Iêmen e na Síria, foi uma jogada decisiva no tabuleiro de xadrez da política libanesa; não foi única, mas a mais importante.

A eleição de Michel Aoun para a presidência do País do Cedro, no último dia deste outubro de 2016, foi uma vitória do Hizbullah, da Síria e do Irã. A eleição do velho General Aoun enfatiza o equilíbrio das correntes regionais favoráveis, no momento, ao Irã e seus aliados.

Se o relativo desinteresse da Arábia Saudita favoreceu a eleição pelo Parlamento libanês não é surpresa que isto tenha acontecido quando as forças leais ao presidente Bachar al-Assad obtêm sucesso diante das brigadas rebeldes recheadas de combatentes mercenários dos cafundós deste planeta e de ‘jihadistas’ que em nome do Islã traem os próprios princípios básicos da religião do Corão.

Outra importante observação, na atualidade, é que poucos ainda falam no que insistiam ser absolutamente necessário, nos idos de 2012 e 2013, quando alardeavam que Bachar era dado como politicamente um defunto.

Sendo o Líbano o único país onde a oposição faz parte do governo, sem que este se constitua num poder de esforço de união nacional, a vitória de Aoun é compartilhada também por Saad al-Hariri, chefe do setor oposto ao próprio Eixo da Resistência formado pelo eleito presidente, apoiado pelo Hizbullah que luta na Síria contra a tentativa de desestabilizar a Síria e o campo iraniano.

O Eixo da Resistência, no íntimo, preferiria que o eleito fosse Sleiman Frangié, neto do chefe de estado, de mesmo nome, nos anos 1970, e íntimo de Bachar.

Há também uma surpresa em Hariri aceitar a chefia de um governo que atuará ao lado de Damasco, pois ele declaradamente suspeita, como querem os verdadeiros perpetradores do atentado contra seu pai, Rafik al-Hariri, em 2005, Israel e Estados Unidos através de Mosad e CIA.

O que moveu Saad não foi o seu patriotismo e sim o fato de seus principais negócios na Arábia Saudita estarem submetidos a pressão política e, em segundo lugar, estarem os ditos negócios, também no Líbano, cercanias e alhures, necessitando de maior atenção e soluções que os tire da crise que já dura dois anos e meio, desde quando impediu uma solução para a crise presidencial libanesa.

O ‘massari’ falou mais alto nas contradições da politicagem libanesa.

Jose Farhat é cientista político e arabista.

Publicado em Assuntos libaneses | Deixe um comentário

Religião e a Batalha de Chaldiran

Em 23 de agosto de 1514, o Brasil recém nascia e, no Oriente Médio, já se disputava aquilo que hoje ainda perdura: os poderosos guerreando através dos fracos, para reforçar suas hegemonias, usando de lado a lado uma arma profana: a própria Religião.

Perto de 500 anos depois, assistimos à Revolta no Barein, de 14 de fevereiro a 18 de março de 2011, quando o povo bareinita empreendeu uma série de manifestações que se tornaram violentas quando o governo da Família al-Khalifa apelou para forças regulares de outros países árabes e mercenários de outras origens, para forçar o povo a desistir de suas reivindicações. O que queria o povo de Barein era acabar com a corrupção, criar mais empregos que estavam sendo preenchidos por estrangeiros, acelerar o rítmo quase patinante da verdadeira democracia, acabar com a discriminação contra os barenitas xiitas. As desculpas governamentais eram menos que meia verdade. Isto porque se olharmos os países do Golfo vamos notar em todos eles uma característica peculiar: o povo que cria riqueza recebe migalhas, mas é coincidentemente xiita e os governantes que se apoderam das riquezas nacionais são todos sunitas. Fica fácil então pintar os movimentos populares de reivindicações como uma questão religiosa, sunitas contra xiitas, uma falsa pintura do quadro de reivindicações populares em toda a região e não uma questão religiosa. Desta forma, o governo de Barein angariava apoio de seus vizinhos como movimentos religiosos xiitas, prontos para derrubar os governos sunitas da região. É uma situação inversa àquela que criou a Batalha de Chaldiranm, mas é igual no que concerne ao uso da Religião para fins longe de serem religiosos.

Semanas atrás a luta pela hegemonia regional voltou a usar a religião como ponto central. Duas potências locais, uma sunita wahabita e a outra xiita duodecimana declararam, cada um por sua vez, que a outra parte não era muçulmana,  por seguirem uma ou a outra vertente do Islã. Isto interferiu na participação dos cidadãos de um país no livre acesso de muçulmanos para o cumprimento do hajj, um importante pilar do Islã. Não precisa ser um sábio em matéria de Islã para notar que a causa deste ato não está na Religião e sim na Política em busca da hegemonia regional.

É chegada a hora – a bem da verdade, ela já passou há muitos séculos –  para que os homens no poder, seja lá quando ou onde estiverem, assumam a verdade e deixem de lado a religião.

A Batalha de Chaldiran (uma cidade situada onde hoje é a Turquia), em 23 de agosto de 1514, não era para um sunita combater um xiita e vice versa e sim para saber quem é que passaria a dominar a região da Anatólia oriental.

Em 1514 o sultão otomano Selim I (1470-1520) também conhecido como Salim I Yavuz (o Sinistro, assim chamado por ter mandado matar seu pai e irmãos para que não sobrasse quem contestasse seu poder), sunita, iniciou uma campanha contra o xá iraniano Ismail I (1487-1524), fundador da dinastia Sefewida, para acabar com a influência sefévida sobre as tribos turcomanas dos Kizilbash, os cabeças vermelhas (assim chamados devido à cor de seus turbante), que estavam em revolta aberta contra a dominação otomana e que demonstravam seu descontentamento através do desafio à ortodoxia sunita. Note-se, que os Turbantes Vermelhos estavam descontentes com a dominação otomana e que a ‘ortodoxia sunita’ foi a desculpa para a rebelião, sublinhando-se igualmente que os otomanos perseguiam os Kizilbash, não por serem xiitas, mas por influenciarem as tribos dominadas encorajando-as à rebelião. A religião não passava de uma desculpa.

O estado sefévida, baseado no misticismo assim como os turcomanos no Azerbaijão e no Irã ofereciam aos turcomanos anatólios alternativas religiosas e políticas e os emissários sefévidas conduziam extensa atividade missionária através da Anatólia. Tal os pregadores estadunidenses na Amazônia que usam a religião como desculpa para que cumpram com o seu verdadeiro objetivo: descobrir as riquezas amazônicas. Os Sefévidas descendiam do Sheikh Safi al-Din (1253-1334) de Ardabil (hoje na região do Curdistão iraquiano), era o dirigente da ordem sufista dos Safawiah. Xá Ismail I (1487-1524) trocou a afiliação sunita dos sefévidas pelo xiismo talvez nem tanto pela Fé e sim para provocar os otomanos.

Salim começou por subjugar os Kizilbash anatólios e depois proclamou que sua “expedição contra o Xá era uma guerra santa contra os heréticos, os xiitas, que estavam corrompendo o Islã”. Os dois exércitos finalmente se enfrentaram em Chaldiran, a nordeste do Lago Van na Anatólia oriental. Salim tomou precauções contra os seguidores do Xá no meio de suas próprias tropas e ordenou o ataque em 23 de agosto e ganhou uma vitória otomana sensacional. Os janissaros (tropa otomana de elite) foram municiados com pequenas armas e foram apoiados por pequenas peças de artilharia montadas em carrinhos de bagagem, que devastaram os Kizilbash. Seria a primeira batalha na História ganha com o uso de armas de fogo.

Apesar de Salim ter entrado em Tabriz, no Irã ocidental (em 7 de setembro) a vitória não resultou em conquista otomana imediata devido a agitações no seio dos Janissares. Salim voltou logo depois à Anatólia. O mais significativo da batalha de Chaldiran, no entanto, foi a subsequente incorporação ao estado otomano dos principados curdos do leste da Anatólia e do principado turcomano de Dulkadir na região do Maras-Elbistan (1515) e da maior parte da região.

E assim, os otomanos tiveram um ganho marginal ao criar uma barreira contra invasões vindas do oriente, e passaram a controlar as rotas comerciais de Trabiz-Alepo e Tabriz-Bursa, um dos objetivos reais das guerras de conquista.

Quanto à religião, ora a religião.

José Farhat

21/09/2016

 

 

 

Publicado em Assuntos de Religiões, Assuntos iranianos, Assuntos sauditas | Deixe um comentário

A Revolução dos Hipócritas

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, e hoje advogado, Joaquim Barbosa utilizou na segunda-feira, 18/04/2016, seu perfil no Twitter para desabafar sobre seu descontentamento com o teor dos votos dos deputados no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no domingo anterior. O ex-ministro não se manifestou a favor nem contra o impedimento da petista.

“É de chorar de vergonha! Simplesmente patético!”, continuou Barbosa. O comentário foi feito logo após criticar a imprensa brasileira e recomendar aos seus seguidores assistirem a entrevista de Glenn Greenwald à emissora de TV americana CNN e também lerem a matéria da revista britânica The Economist listando as justificativas dos deputados em seus votos pelo impedimento.

Ele não se manifestou a favor nem contra o impeachment da presidente.

Nos votos, na Câmara dos Deputados, a maioria dos parlamentares favoráveis ao afastamento de Dilma não fizeram nenhum comentário ou posicionamento sobre as pedaladas fiscais – manobras contábeis que embasam o pedido de impeachment – e utilizaram como justificativa seus próprios familiares, “deus”, “cristianismo”, “o fim da corrupção”, “a paz em Israel”, dentre outros motivos que surpreenderam até a imprensa internacionais, conforme seleção que citamos a seguir:

CNN: É incrivelmente flagrante o que está acontecendo no Brasil.

FORTUNE: Colocar o PMDB no governo é como limpar o chão com um pano sujo.

THE GUARDIAN: O impeachment de Dilma: um escândalo e uma tragédia

THE ECONOMIST: “Por Deus, pelo aniversário de minha avó, pela minha família”.

EL PAIS: Um Parlamento com momentos de Circo decide o futuro de Dilma.

DEL SPIEGEL: A Revolução dos Hipócritas. O Congresso revelou sua verdadeira face.

SICO NOTÍCIAS: Nunca vi o Brasil descer tão baixo. Uma assembleia de bandidos comandada por um bandido.

THE IRISH TIMES: Brasil envia os palhaços para votar no impeachment de Dilma.

Voltando ao Ministro Barbosa, ele continuou: “Anotem: teremos outras razões para sentir vergonha de nós mesmos em toda essa história”. No último domingo, 17 de abril de 2016, a Câmara dos Deputados aprovou com 367 votos favoráveis, mais do que os 342 necessários, a continuidade do processo de impedimento de Dilma Rousseff, que agora está em análise no Senado. Se for aceito também no Senado, a presidente será afastada por 180 dias para ser julgada pelo Senado e, durante este período, o vice-presidente Michel Temer assume a Presidência.

Se ao final do processo o Congresso decidir pelo afastamento da petista, o vice peemdebista, eleito com a presidente e com os votos dela, segue como presidente até o final do mandato de Dilma, em 31 de dezembro de 2018, tempo suficiente para desfazer todas as vantagens que o povo brasileiro ultimamente lutou para conquistar.

Só que a maioria dos Deputados que ao votar usou o “santo nome de Deus em vão” e trouxe à baila filhos que ainda não nasceram e não mencionou as sogras, tenta esconder a verdade ululante: o sucessor de Dilma, Michel Temer, também cometeu os mesmos atos pelos quais querem que ela seja condenada. Assim também fizeram os antecessores de Dilma os quais, se assim é, deveriam também serem julgados. Os sucessores de Temer, se a farsa vencer são, como é a maioria daqueles que votaram contra Dilma, réus em processos vergonhosos que deveriam também ter andamento célere como tentam fazer com a atual presidente.

Temer antecipou declaração insossa, como é de seu feitio, à imprensa internacional na tentativa de abafar a declaração que ele e seus asseclas acreditavam que Dilma faria, comprometendo a imagem do país e da turma do sim ao golpe e da sucessão apressada. Mostrou a oposição seu primarismo em assuntos de relações internacionais tanto pela declaração antecipada quanto pelo envio de membros do Congresso Nacional para a sede das Nações Unidas, em Nova York, onde Dilma discursaria “para fazer contraponto à fala presidencial”. O discurso de Dilma, um primor em matéria de diplomacia, abordou o assunto que lhe competia sobre a responsabilidade do Brasil no projeto ambiental planetário e apenas referiu-se à difícil situação do Brasil afirmando que nosso país a superará através da avançada e sólida democracia. Por outro lado, os congressistas brasileiros não foram autorizados a entrar no recinto da reunião e aprenderam que a sede das Nações Unidas não é recinto vergonhoso tal qual aquele no qual Eduardo Cunha transformou a nossa Câmara dos Deputados, com a promoção de uma revolução hipócrita, como bem disse o DEL SPIEGEL.

José Farhat

22/04/2016

 

 

Publicado em Assuntos brasileiros | Marcado com | 1 Comentário

Ameaçando a paz vem a vitória

            Basta abrir qualquer jornal para se constatar que a situação no Oriente Médio e na África do Norte está piorando sem parar. É questão de Justiça dar a palavra àqueles que estão sendo ameaçados e não a seus aparentemente agressores. Vamos aos fatos.

            Segundo a Associated Press, recentemente citada pelo jornal libanês de língua inglesa The Daily Star, o Ministro do Exterior da Síria, Walid al-Muallim, resumiu a situação vista do lado a ser agredido em uma frase: “Tropas sauditas ou qualquer tropa estrangeira que entrar neste país [na Síria] voltará para casa em caixões de madeira”. E assegurou ainda que “avanços militares recentes colocaram este governo ‘nos trilhos’ para acabar com esta guerra civil de cinco anos”.

            A conferência de imprensa de al-Muallim aconteceu uma semana após o fracasso retumbante dos esforços das Nações Unidas para conversações de paz. Na verdade conversações indiretas entre a delegação oficial do governo sírio e os representantes da oposição. A iniciativa da ONU, na verdade inspirada pelos Estados Unidos, estava fadada mesmo ao malogro porque ninguém ignora que a parte legítima nas negociações só pode ser o governo sírio, assim como é evidente que ninguém sabe quem representa a soi-disant oposição. As forças que atuam contra o governo sírio, em sua grandessíssima maioria, não são de sírios e a nacionalidade dessas forças mercenárias talvez nem seus contratantes saibam quem são e de onde vêm. Na Síria se faz hoje igual ao que os Estados Unidos fizeram no Afeganistão e Iraque: angariar, armar financiar e dar apoio logístico a bandidos, malfeitores, condenados, assassinos de aluguel.

            O Enviado da ONU, Staffan de Mistura teve que adiar a reunião para negociações de paz devido a certas exigências da Oposição, só que a verdade é outra, ninguém sabe que é a tal agremiação oposicionista e sim que existem grupelhos que se arvoram como representantes do povo sírio são muitos e carecem de coordenação; além do fato alarmante que somente seus chefetes desacreditados e desprezíveis falam o árabe. Os Estados Unidos conhecem este tipo de gente, pois quando estavam ganhando a guerra suja no Iraque, também com ajuda de forças irregulares contratadas, havia dezenas de indivíduos que se diziam mandar e ter seguidores no Iraque e entre eles, até estava o antigo chefe de um banco jordaniano que havia roubado descaradamente todo o patrimônio do banco que presidia. Na Síria acontece o mesmo. Como os Estados Unidos não têm apoio legal e decente apoiam todo tipo que pessoas que se dizem mandar em algo dentro da Síria e este é o grupo que seria a oposição síria.

            Fracassadas as negociações houve uma advertência da Arábia Saudita afirmando estar pronta, em princípio, para enviar tropas terrestres para combater na Síria no contexto da campanha militar liderada pelos Estados Unidos contra os extremistas da Daish (Estado Islâmico) eu controlam consideráveis partes dos territórios da Síria e do Iraque.

            Voltando aqueles que se pretende atacar, além do próprio governo sírio, nem é necessário destacar o papel do Hizbullah que está em território sírio, aliado ao governo do país combatendo com heroísmo e, também, mostrando a Israel sua capacidade nos campos de batalha enviando reforço de tropas semana passada para a Síria.

            A Rússia, de seu lado – e o fato incomoda tremendamente os apoiadores da dita ‘oposição’ está dando crescente suporte ativo à Síria e somente esta última semana seus aviões de guerra atingiram 900 pontos de concentração de forças inimigas da Síria.

            O Ministro da Defesa da Rússia também declarou dias atrás que seu país tem bases razoáveis para suspeitar que a Turquia, outra apoiadora da oposição, está empreendendo preparativos intensivos para uma invasão da Síria ao lado de forças estadunidenses e sauditas.

            Não se pode deixar de mencionar a declaração do General Muhammad Ali Jafari, comandante da Guarda Revolucionária do Irã, poucos dias atrás, à Agência Fars afirmando que não acreditava que os sauditas eram “bravos o suficiente” para mandar tropas terrestres. “Eles falam grande”, disse Jafari, “Mas mesmo que isto aconteça não será de todo mal porque serão definitivamente derrotados”.

            Há quem esteja chutando a Paz a todo custo, as ameaças se repetem de lado a lado, a oposição acusa o governo de lançar uma ofensiva contra Aliou para não irem às negociações e de Mistura, o representante das Nações Unidas, apesar de fixar o dia 25 deste fevereiro para o início das negociações disse duvidar que as delegações voltem e, declarações à parte, parece mesmo que al-Muallim tem razão ao apontar que a guerra está perto do fim, como demonstram as vitórias das forças armadas regulares sírias apoiadas por seus aliados.

José Farhat

07/02/2016

Publicado em Assuntos iranianos, Assuntos pan-árabes, Assuntos sauditas, Assuntos sírios | 3 Comentários