Erupção de vulcão em Israel

            Nada a ver com o vulcão que dias atrás vitimou o Chile, o de Israel, conforme declarou o porta-voz do Ministério do Exterior, Emmanuel Nahshon, do regime israelense é “Um vulcão de ódio que está em erupção no Conselho Municipal da Cidade de Reykjavík”.

            A fúria do regime da entidade israelense é contra a decisão islandesa de boicotar produtos “Made in Israel”. Até aí, entende-se o arrebatamento deles: é que o movimento BDS – Boicote, Desinvestimento e Sanções está cada vez mais ativo e vitorioso. Quando o tal Nahshon menciona que “a medida carece de qualquer tipo de razão e justificação e provém de puro ódio contra Israel” ele está simplesmente praticando coerentemente dois esportes nacionais. O primeiro é enfiar a cabeça na areia para convencer a si mesmo que o mundo não sabe, não lembra, não vê, não reage. A segunda é ainda mais grave: a prática da mentira.

            A medida tomada na Islândia – e que vem sendo tomada em outros lugares, graças à ação do BDS se justifica por diversas razões capituladas nos códigos penais de qualquer país civilizado – inclusive no deles.

Citemos as razões de uma única família palestina entre centenas de milhares: a família Taha, de Haifa na Palestina, é dona da maior e mais tradicional produção de laranjas, conhecidas principalmente na Europa, para onde eram exportadas desde meados do século XIX; a exportação é feita hoje por uma próspera empresa israelense que nada pagou pela terra que tomaram à força e expulsaram seus donos, pelas árvores e mudas, pela cerca, pelo adubo, pela infraestrutura, até pela arte do rótulo. A laranja vinha sendo vendida como “Made in Israel” e, graças ao BDS, não é mais em muitos destinos, inclusive em Reykjavík.

Um dos Taha me disse que toda vez que ia a Haifa, na calada da noite, quando isto ainda era possível, a fim de buscar parte das libras esterlinas que enterrara antes de fugir para o Líbano em 1948, passava por uma loja de sua propriedade e lá estava, no balcão, um Salomão qualquer, posando de dono. Ele tinha pagado uns míseros dinheiros (trinta talvez) pelo empreendimento. Taha me disse certa feita, com a voz embargada: “O tecido de seda que o judeu exibia – e que briguei durante dias com o fabricante chinês para ele baixar o preço, lá estava, eu paguei por ele e eles nem as despesas com telegramas eles pagaram”.

Para fazer justiça ao porta-voz do Ministério israelense, temos que concordar com ele que há “puro ódio” na atitude dos conselheiros municipais de Reykjavík, só que não é só ódio pela expulsão dos palestinos donos da terra, para ocupá-la, explorá-la e vende-la ocupação de terras palestinas onde plantam, pois o ódio vem desde quando cometeram seus primeiros crimes e continuam executando estes e outros mais.

O jornal Magazine Iceland estampou um artigo relatando a decisão do conselho municipal e a razão que Nahshon e seus patrões fingem não entender é que: “[O boicote] aos produtos israelenses continuará enquanto durar a ocupação dos territórios palestinos”.

Se Nahshon e seus asseclas querem falsear a verdade, leiam ou ouçam antes o que dizem seus patrões. Shimon Peres, o ex-presidente, declarou em junho passado: “O crescente boicote internacional contra Israel é equivalente a uma guerra” e Benyamin Netanyahu reconheceu que “a campanha internacional de boicote ameaça a existência do regime de Israel“.

 José Farhat

17/09/2015

 

Anúncios

Sobre José FARHAT

Formado em Ciências Políticas (USJ-Beirute) e Propaganda e Marketing (ESPM-São Paulo), tem cursos de extensão ou pós-graduação em: Comércio Exterior (FGV-São Paulo), Introdução à Teoria Política (PUC-São Paulo), Direito Internacional (PUC-SP) e cursou Filosofia no Collège Patriarcal Grec-Catholique (CPGC-Beirute). Domina os idiomas: Árabe, Francês, Inglês e Português e tem artigos publicados sobre Política Internacional, no Brasil e no Líbano. É ex-Diretor Executivo e atual Conselheiro do Conselho Superior de Administração da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira; foi Superintendente de Relações Internacionais da Federação do Comércio do Estado de São Paulo e é seu atual membro do Conselho de Comércio Exterior e atual Diretor do Centro do Comércio do Estado de São Paulo. É ex-Presidente e atual Diretor de Relações Internacionais do Instituto da Cultura Árabe.
Esse post foi publicado em Falácias em torno de Israel e do Sionismo, Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s