Reflexões de um semita considerado antissemita

     Um dia, entre muitos outros dias e muitas outras vezes, fui chamado de antissemita. Antissemita, segundo Antônio Houaiss, é um termo relativo ao grupo étnico e linguístico ao qual se atribui Sem, filho de Noé (ver: Gênesis 5:31) como ancestral, e que compreende os hebreus, os assírios, os aramaicos, os fenícios e os árabes, ou membro desse grupo. A Terra de Sem (Sham em árabe, aramaico etc.) é toda a região da Síria transformada na atualidade, por obra dos ambiciosos impérios coloniais, desde o otomano, o britânico, o francês, o russo, o italiano et caterva até o atual estadunidense em: Síria propriamente dita, Líbano, Palestina (em vias de se libertar do jugo sionista), Jordânia, na região entre nós também conhecida como o Crescente Fértil.

     Houaiss tem sua origem na mesma aldeia de meus antepassados diretos, do sul de Beirute, e somos semitas, não importando, muito pelo contrário, ser descendente de árabes cristãos.

     Saladino, como é conhecido Salah ad-Din Yusuf ibn Ayyub (1137-1193) cujo nome era Yusuf (José) e Salah ad-Din era um epíteto que significa em árabe justiça da fé. Ele era kurdo sunita e se tornou, apoiado por suas vitórias militares e conquistas regionais, o primeiro sultão e fundador da dinastia ayyubida que dominou, durante os séculos XII e XIII, Egito, Síria, norte da Mesopotâmia, Hijaz (que é a região da costa leste do que é hoje a Arábia Saudita, margeando o Mar Vermelho), Iêmen, costa norte africana até as fronteiras do que hoje é a Tunísia, a maior parte do Reino de Jerusalém dos Cruzados francos e as terras além do rio Jordão.

     Saladino nos expulsou da região de Alepo, por sermos xiitas que ele detestava mais que aos Cruzados que combatia à frente dos exércitos que enfrentavam a tentativa europeia, liderada pela Igreja de Roma, para ampliar seus domínios e obter lucros econômicos, nada tendo a ver com a Religião.

     O termo ‘antissemita’ foi agredido e se tornou qualificativo daquele que fala a verdade contra as barbaridades que vêm sendo cometidas pelo estado patife de Israel, seus apoiadores e os atos de ambos; ou aquele que inversamente defende a Palestina e os palestinos e seus direitos sobre as terras que, no mínimo, foram um dia parte do Império Árabe Islâmico, no século VII, ou mais recentemente parte do Sultanato Ayyubida. Por estas razões, sou e me orgulho de ser ‘antissemita’, mas continuo em minha convicção inabalável de que a terra da Palestina é dos palestinos e de que eles foram e estão sendo privados de seu direito sobre sua terra e de possuir um estado soberano com fronteiras definidas e defensáveis.

     Sou ‘antissemita’, é claro, quando assisto à falta de vergonha do governo israelense repetindo a cada eleição legislativa, como se fosse novidade, uma troca de tiros diários por parte dos partidos da minúscula faixa de Ghazza contra os grileiros de com armamento pago pelo comparsa de sempre, o governo – e não o povo, dos Estados Unidos e os estados que este puxa como cães obedientes.

     Seja eu ou não ‘antissemita’, o fato é que posso provar que minha família e muitas outras, vivem continua e pacificamente há mais de 800 anos na terra síria (hoje Síria, Líbano, Palestina ocupada e Jordânia) e meus detratores nem que antepassados seus viveram ininterruptamente na mesma terra durante os últimos duzentos anos sequer podem provar. Se o direito à terra é adquirido pela conquista e tentativa de dizimar os seus habitantes valer, absurdo dos absurdos, os sionistas deveriam então reconhecer o direito à Palestina, não somente aos palestinos que eles expulsaram de lá à força, mas também aos muitos e muitos povos que a conquistaram. Seria mais ou menos o caso dos kurdos que deveriam reivindicar a posse da Palestina com base no domínio lá exercido pelo sultanato ayyubida. Que tal a Santa Sé reivindicar o território onde em seu nome se estabeleceu o Reino de Jerusalém, entre outros resultantes das Cruzadas.

     As tentativas deles de me destratar com agressões verbais, chamando-me de ‘antissemita’ não irão apagar os crimes de Israel e não vão resolver os problemas que os aflige. Israel não precisa de inimigos, pois está se suicidando e sua derrota virá como resultado de suas ações criminosas. O resultado da auto derrota de Israel o tornará, tomando-se como verdade o que sacam contra mim, o maior ‘antissemita’ de todos os tempos.

José Farhat

18/11/2012

Anúncios

Sobre José FARHAT

Formado em Ciências Políticas (USJ-Beirute) e Propaganda e Marketing (ESPM-São Paulo), tem cursos de extensão ou pós-graduação em: Comércio Exterior (FGV-São Paulo), Introdução à Teoria Política (PUC-São Paulo), Direito Internacional (PUC-SP) e cursou Filosofia no Collège Patriarcal Grec-Catholique (CPGC-Beirute). Domina os idiomas: Árabe, Francês, Inglês e Português e tem artigos publicados sobre Política Internacional, no Brasil e no Líbano. É ex-Diretor Executivo e atual Conselheiro do Conselho Superior de Administração da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira; foi Superintendente de Relações Internacionais da Federação do Comércio do Estado de São Paulo e é seu atual membro do Conselho de Comércio Exterior e atual Diretor do Centro do Comércio do Estado de São Paulo. É ex-Presidente e atual Diretor de Relações Internacionais do Instituto da Cultura Árabe.
Esse post foi publicado em Assuntos palestinos, Notícias e política. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Reflexões de um semita considerado antissemita

  1. Giuliana disse:

    Bom dia,Sr.Farhat!Como vai?Gostaria de parabenizá-lo pelo Blog.Ele me foi muito útil,principalmente,quando tive de representar a Palestina durante uma simulação das Nações Unidas(MONAES),feita em minha universidade,na qual eu deveriam dois colegas e mais eu defendermos a entrada da Palestina como Estado.Decidimos,porém,posteriormente tentarmos o status como país observador não-membro e resultou em algo mais tangível,dada a presença de representes dos EUA.
    A MONAES acabou,conseguimos ao que nos propomos a fazer,mas mesmo assim continuo a acompanhar teu blog em razão da carga histórica e da necessidade de sempre enxergar além das notícias que em teoria,deveriam utilizar de imparcialidade.
    Muito obrigada!

    • José FARHAT disse:

      Giuliana, muito obrigado pelo elogio ao blog. Estou à sua e à disposição de seus colegas para quaisquer esclarecimentos a respeito dos assuntos referentes ao mundo árabe, sula literatura, política e tudo o mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s